Início

Cursos

Textos

DVDs

Obras

Produtos

YouTube

Como chegar

Quem somos

Contato

Foggy News

Condições filosóficas do nazismo


Acho que seja senso comum que devemos combater sem tréguas todo e qualquer indício de nazismo e outros autoritarismos. Pena que algumas crenças atuais atuem para que filosofias similares persistam e proliferem.

Que características podemos atribuir ao nazismo para que possamos reconhece-lo e, consequentemente, combatê-lo? Que comportamento caracteriza um nazista? o que ele sente? Como ele se coloca perante as outras pessoas? Enfim, que emoções e sensações são necessárias numa pessoa para ela se tornar um nazista?

Todos sabemos que o Nazismo foi um movimento político liderado por Adolf Hitler que se desenvolveu na Alemanha após a Primeira Grande Guerra. Suas principais características são o racismo, o antissemitismo e a eugenia.

Racismo. O racista considera que as pessoas com a sua cor de pele são superiores e melhores que as de outra cor. O núcleo dessa sensação é: somos superiores, valemos mais que todos os demais. A desculpa é a cor da pele.

Antissemitismo. Relevante relembrar que a escolha dos judeus para despejar o ódio não foi à toa. Na Alemanha da época os semitas detinham boa parte das empresas, destaque social e algum poder. Eram mais ricos, mais qualificados e mais bem colocados que a grande maioria dos alemães. Assim o antissemitismo característico do nazismo se identifica pelo ódio direcionado àqueles que titubeiam a sensação própria do nazismo – a de ser superior, mais inteligente, mais bem informado, mais poderoso, coisas assim.

Eugenia. Também a partir da certeza de serem superiores os nazistas acreditavam que seus genes são melhores que os demais, que o mundo seria melhor se seus genes predominassem e dominassem no mundo, preferencialmente excluindo os demais.

Pedra angular

Ora, a pedra angular na qual o nazismo se estrutura é a própria supremacia somada à necessidade de eliminar os supostos adversários, aqueles que colocam em dúvida essa supremacia. Em outras palavras: é a autovalorização com a eliminação das contrapartes.

Troquemos a referência de cor da pele ou raça para: ideologia. Trocando apenas de objeto e mantendo as naziemoções e naziposturas, vamos encontrar pessoas que valorizam suas ideologias em detrimento da dos outros.

Defender, valorizar e comemorar as vitórias do time preferido é uma coisa, quando uma torcida agride a concorrente, é outra coisa.

Quando um vegetariano se assume e faz campanha pela causa é uma coisa. Quando um vegano quer proibir o consumo de carne animal, pode ser outra coisa.

Quando uma pessoa defende seu partido político é uma coisa, quando quer eliminar seus adversários porque não conseguiu convencê-los ou comprá-los, é outra coisa.

Quando uma escola assume uma linha de ensino é uma coisa. Quando passa a discriminar e até criminalizar outra linha, é outra coisa.

Optar por seguir ou não uma religião é uma coisa, querer impor o ateísmo ou a sua religião como a única opção, é outra coisa.

Ter a sua opção sexual é uma coisa, limitar opções ou impor experiências múltiplas ou hétero conforme suas crenças e desejos é outra coisa.

Enfim, supostamente combater o mal e fazer as boas escolhas é altamente saudável. Defender a responsabilização de cada um dos nossos atos, também, pois podemos sempre estar enganados. Criminalizar as diferenças, achar que todos que contestam são maus, egoístas, degenerados e devem ser eliminados, mesmo não incorrendo em crimes tipificados, é outra coisa.

E essa outra coisa é indício de supremacia com o desejo de eliminar os adversários, o principal sinal do nazismo, da Ku Klux Klan, do racismo, da homofobia e de tantos outros males que dizem combater.

 

Nebulização

A divisão da sociedade é necessária pra que seu povo seja controlado e seu país explorado, pelo menos até que uma ditadura seja instaurada. Segue o projeto de poder: no mundo supostamente livre estão aumentando as propostas de autovalorização e de destruição dos diferentes.

Tolos são os que acreditam nas boas intenções das mídias e da ONU quando combatem males como o nazismo, o racismo, o machismo e outras atrocidades. De fato, até lutam contra tudo que podemos reconhecer como politicamente incorreto, mas nebulosamente disseminam as pedras angulares desses males na sociedade, de modo a manter e aumentar o ódio e a divisão. O ódio e a sensação de superioridade até é condenada quando contra semitas, mulheres, negros ou membros LGBTT+, mas fortalece-se e destila-se o mesmo ódio e superioridade por grupos da mesma sociedade.

Essa boa luta – a de combater o racismo, o fascismo, o machismo, o feminismo e tantos outros males politicamente incorretos – serve como desculpas e fachada para combater as culturas tradicionais e facilitar a influência das mídias no comportamento atual, como a disseminação do ódio e da agressividade. Afinal, que a agressividade intergrupos, inclusive familiares, está aumentando, ninguém pode negar. Assim como ninguém pode negar também que isto facilita o controle social.

 

Novas versões para o nazismo

Não estranho a sensação de ver, a cada esquina ou em cada sala de aula, um grupo de nazistas, fascistas, racistas, machistas, petistas, bolsonaristas ou equivalente combatendo exatamente grupos que acusam ser de nazistas, fascistas, racistas, machistas...

Tantos com a sensação de superioridade e a necessidade de eliminar seus adversários. Com o apoio das mídias e pelo fato de não percebemos como somos manipulados ao odiar um grupo, o quadro só evolui.

Como costuma haver nos grupos adversários pessoas que de fato podem ser acusadas desses títulos e crimes, muitos se sentem embasados e justificados para agirem. Acredite: em todos os grupos há os que realmente merecem títulos vis, mas não costumamos perceber quando é no nosso grupo.

Devemos combater firmemente o nazismo!

E continuam as mensagens de autovalorização, de valoração dos próprios ideais, de seguir a própria intuição, que cada um tem a sua verdade, orientações ao afastamento dos que nos confrontam nas mídias, inclusive sociais.

E se fortalecem o ódio intergrupos sociais.

Taí algo que cheira à hipocrisia.

Ainda não sei por que tantos acreditam que as mídias sociais não fazem parte do sistema de controle social.

Observação

Não podemos, de fato e por justiça, alcunhar as novas gerações de nazistas, seria melhor o título metanazistas. Os nazistas o eram a partir de um grupo, de uma terceira entidade, logo, eram sociais, defendiam seu povo e região. Os que herdaram ou foram induzidos a adquirir suas vis características são individualistas, egóicos, amam a si acima de tudo, não ao seu povo. Valorizam apenas seus ideais, têm sua ideologia e se agrupam, mas não defendem mais do que isto, não amam mais que isso. Nitidamente desprezam seu povo. Alguns até preferem cães ou gatos a humanos. Nada contra o amor que trocamos por pets, mas o desprezo por outros seres humanos me salta às vistas: não é necessário para que a relação com o animal de estimação seja saudável.

Até penso o quanto a vida virtual facilita o amor às ideologias como se reais fossem e influencia a involução social. Como as novelas, filmes e séries que ajudaram a formar as novas ideologias. Mas isto será argumento para um curso longo, não cabe em um texto.

 

O que você quer?

·        Desenvolver esse tema.

·        Voltar à relação dos textos liberados sobre os grilhões modernos.

·        Acessar a pasta no Facebook.

·        Receber via WhatsApp as reflexões que não estão no site nem no Facebook.

·        Atendimento individual.

Faça contato pelo WhatsApp 21-99187-3020 ou e-mail [email protected].

 


IBTED Cursos, Vídeos, Produtos, Editora e Terapias

Página inicial do grupo de estudos

Site do IBTED

Contato: (21) 99187-3020 (OI + Whatsapp) - [email protected]

Sociais: facebook/ibted   -  facebook/robertohaddad.ibted