Início

Cursos

Textos

DVDs

Obras

Produtos

YouTube

Como chegar

Quem somos

Contato

Foggy News

Mais amor, por favor


Regularmente pessoas clamam por mais amor:

·        Mais amor, por favor.

·        Menos guerra, mais amor.

·        O mundo precisa de amor.

·        Todos deveriam amar mais e ser menos competitivos.

Não clamam à toa, mas pelo desagrado de ofertarem amor e não terem seus esforços correspondidos. Mas geralmente não percebem que oferecem um tipo de amor, mas reivindicam outro.

Entre as peculiaridades humanas em relação ao amor está a de oferecer um tipo de amor, mas esperar outro mais dispendioso em retribuição. O que chamamos e reconhecemos por amor em nós mesmos não é o que reconhecemos e esperamos nos outros.

Quando reconheço o amor em mim mesmo

Ao utilizar a expressão eu te amo, eu estou afirmando que você tem valor para mim. Em tudo e todos que eu possa considerar valioso, eu costumo identificar meu amor.

Sabe quando alguém me satisfaz, me ajuda, me acompanha, me nutre, me orienta, cuida de mim? Se eu reconhecer isto, afirmo: eu amo essa pessoa. Amor-valor.

Mas a recíproca não é verdadeira.

Quando reconheço o amor de alguém por mim

Infelizmente, para reconhecer o amor de uma pessoa por mim, eu uso outro conceito de amor. Amor-gasto. Quando a pessoa gasta tempo, dinheiro, atenção, o próprio corpo ou seus valores comigo.

Perceba: para reconhecer o amor em si, basta que a pessoa valorize a outra pessoa. Mas para reconhecer o amor dos outros por si não basta que este outro o valorize, é necessário que tenha atitudes, gaste tempo, dinheiro, atenção ou outra coisa valiosa.

Amores entre o filho e sua mãe

Acredita-se que haja relação com a experiência infantil. Observe a relação do bebê de dois ou três anos de idade com sua mãe. Há amor entre eles. O bebê ama a sua mãe, sente sua falta quando se afasta, interage com ela, investe tempo e pensa muito nela. Não dá para dizer que o bebê não ama sua mãe. Agora, o que a mãe faz pelo bebê é outra coisa. Ela precisa protegê-lo, alimentá-lo, niná-lo, preocupa-se com o seu futuro. E gasta seu tempo, seu corpo, seus valores, sua vida com as necessidades e suportes ao filho. Reconhecemos amor aí. Muitos até afirmam que amor só de mãe.

Amor gato por lebre

Não obstante, encontramos cobranças de amor nos veículos de comunicação.

·        Mais amor, por favor.

·        Menos guerra, mais amor.

·        O mundo precisa de amor.

·        Todos deveriam amar mais e ser menos competitivos.

Ora, as pessoas que postam mensagens assim não percebem, mas geralmente estão oferecendo gato por lebre. O amor que elas pedem aos outros nas mensagens é provavelmente o amor de mãe, o amor maduro, o amor gasto. Mas o amor que oferecem é o amor-valor.

Veja o vídeo sobre os conceitos de amor: https://youtu.be/tqsSc-M30ew.

 

O que você quer?

·        Desenvolver esse tema.

·        Acessar a pasta no Facebook.

·        Voltar à relação dos textos iniciais sobre os grilhões modernos.

·        Receber via WhatsApp links para as próximas reflexões.

·        Ver a relação de atividades do professor Roberto Haddad. http://www.ibted.org.br/.    

·        Atendimento individual.

Faça contato pelo WhatsApp 21-99187-3020 ou e-mail [email protected].

 


IBTED Cursos, Vídeos, Produtos, Editora e Terapias

Página inicial do grupo de estudos

Site do IBTED

Contato: (21) 99187-3020 (OI + WhatsApp) - [email protected]

Sociais: facebook/ibted   -  facebook/robertohaddad.ibted