Início

Cursos

Textos

DVDs

Obras

Produtos

YouTube

Como chegar

Quem somos

Contato

 

Reflexões para a Saúde

Rinite e outras Secreções

 


 

Aproveito o tema Rinite para apresentar como os tipos de medicina explicam o fato de leite provocar muco

O consumo de leite costuma ser associado a patologias com secreção como rinite e sinusite. Os mesmos protocolos domésticos podem e devem ser utilizados em secreções vaginais sem odor (certamente só após a avaliação médica) e catarro intestinal. Esta observação é muito antiga e, conforme o tipo de medicina, existem várias explicações.

Os Tipos de Medicina

A arte de promover a cura de dores e doenças pode dividir a história da Medicina em quatro fases, conforme os seus fundamentos: 1) Medicina Primitiva, que acreditava que as dores e doenças eram provocadas por entidades malignas; 2) Medicina Antiga, que passou a tratar os problemas como distúrbios energéticos; 3) Medicina Moderna ou Higienista e 4) Medicina Contemporânea.

Medicina Primitiva

A principal característica da medicina primitiva é os rituais mágicos. Nos primórdios da humanidade, as dores e doenças eram associadas a entidades e a cura, à satisfação dos deuses com os rituais. Como no cultivo: a terra era arada de forma ritualística e na época de Ceres; se o ritual de cultivo satisfizesse a deusa, a colheita seria farta.

De acordo com essa medicina, todas as pessoas encatarradas foram atacadas pelo demônio da água. Observaram que os doentes não agiam com normalidade, logo, estavam possuídos. O sintoma secreção seria a prova da existência da entidade maligna: a Água.

Para combater esse demônio, os rituais incluíam o fogo, que acreditavam ser mantido por e conter as salamandras, as entidades que combateriam o demônio da água. Ervas que aumentam o metabolismo, como pimenta e gengibre, eram consideradas com a energia do Fogo, daí serem utilizadas no combate do Mal.

Dois remanescentes desta medicina

1) Na Medicina Tradicional Chinesa, esses demônios agora são chamados de Agressores. Ainda acredita-se na capacidade do Calor, do Vento, da Fleuma e outros invadirem (ou atacarem) o corpo humano. E, de acordo com as mesmas teorias, as energias maléficas também seriam produzidas por nossas vísceras: o vento pelo fígado, o muco pelo pulmão, a Fleuma pelo baço e ainda outros, no total de oito agressores.

2) Em certas escolas esotéricas ainda se afirmam que na natureza existem entidades mágicas (elementares da natureza). Água não reduz a febre? Então deve conter entidades naturais que combatem o demônio do Fogo, os ondinos que se contrapõem às salamandras. E ainda os silfos que habitam o ar e os gnomos que se escondem nas rochas e cavernas, naturalmente antagônicos entre si.

Crítica

Ainda hoje é muito forte a ação de entidades na cura. Sejam entidades da natureza, como interpreta a umbanda, pessoas desencarnadas, como se crê no espiritismo, a própria mente, como se divulga em filosofias do pensamento positivo, ou ação direta de Deus. Em todas as religiões e filosofias registramos casos de cura. Mas, por questões globalizadas, estas incontáveis curas são simplesmente ignoradas nas estatísticas: são consideradas curas espontâneas. Apenas a prática médica cura. A fisioterapêutica reabilita, a psicológica só trata de problemas não físicos e assim por diante. Apesar de, para muitos, ser mais saudável, fácil e por vezes mais econômico encontrá-la que a um médico.

Medicina Antiga

O que caracteriza a medicina antiga é a crença de uma dor ou doença ser uma energia negativa e não mais uma entidade maligna. Pelo menos cinco sistemas filosóficos foram utilizados em regiões diferentes do planeta, embasados em uma, duas, três, quatro e cinco tipos de energia. 

Associa-se a Hipócrates, médico de exército grego no século IV aC., o início da Medicina. Isto se dá porque ele foi o primeiro homem a registrar a separação da prática de cura do ritual mágico.

Hipócrates deixou um grande legado relacionando sintomas e procedências terapêuticas. Nos seus escritos predominavam o repolho (para tratamento de quase todos os males, inclusive gastrite, cólica menstrual e como cicatrizante e bactericida), procedências para amputação e cauterização e, em destaque, a sangria. Dentre as procedências que caracterizam a medicina antiga, destaca-se a retirada de sangue, seja pela sangria, seja com o uso de sanguessugas.

Os antigos, ao conferirem o benefício (que a doença havia saído) e como não conseguiam achar a doença no sangue, concluíram que a doença era uma ‘energia’. Não identificaram diferenças entre o sangue bom e o ruim já que o microscópio só foi inventado em 1902, um vírus só foi visto em 1905 e os hormônios só foram identificados durante a Segunda Guerra Mundial. Para a medicina Antiga, gripe, colite, dores em geral e infecções eram doenças promovidas por energias negativas e estas energias circulavam no sangue. Não com as artérias, pois para ser retirada não convinha o corte delas, mas em canais paralelos. Até o século XIX, promover a cura era retirar essa energia-sangue. Outras procedências complementares foram utilizadas: lavagem intestinal, banhos quentes ou frios, chás diversos, repouso em local aquecido e até imantação (deslizamentos suaves sobre a pele).

As explicações do catarro em alguns dos sistemas energéticos

Os antigos conheciam diferenças entre os sintomas e, obviamente, os associaram a diferentes energias. Os gregos achavam que tudo no mundo era constituído de quatro elementos básicos: fogo, éter, água e terra. Os chineses, de cinco, e os indianos (ayurvedas), de três. Neste texto não relacionamos as teorias, apenas as suas explicações.

CINCO ELEMENTOS

Na visão chinesa, tudo no universo é constituído de cinco elementos básicos: madeira, fogo, terra, metal e água.Nesta teoria, o consumo excessivo de leite estimula a produção da Fleuma pelo Baço (o que cansa e esvazia esta víscera); a Fleuma sobe e afeta os Pulmões, irritando-os, que são responsáveis pela produção de Muco (são a sua secreção), daí o catarro.

QUATRO ELEMENTOS

Para os gregos, tudo que poderia agir sobre o corpo (que é uma coisa) teria de ser, obrigatoriamente, outra coisa. O amor, por exemplo, como promove aumento do metabolismo (tesão), seria composto de Éter (o que constitui o ar) e Fogo: o amante teria esses componentes aumentados, daí a produção de poemas e o aumento do metabolismo (calor e atividade). O azeite, por boiar sobre a água, teria uma quantidade maior de éter que ela. Não é à toa que persistiram tanto na tentativa de produzir ouro a partir da combinação de outros materiais.

Como a vaca se alimenta de água e capim, no leite predomina os elementos Água e Terra. Quem o consome demais tem excesso destes elementos, daí a secreção e a necessidade de alimentos e lugares com a energia do Fogo para reequilibrar a energia.

TRÊS ELEMENTOS

Para a medicina ayurvédica, tudo é formado por matéria (kapa), calor (pita) e movimento (vata). Pessoas com febre possuem pita demais e o médico ayurveda deve retirar esse componente (sangue, por exemplo). Pessoas apáticas possuem falta de vata, logo, devem ser estimuladas (os alimentos com vata costumam conter cafeína ou outro estimulante). Uma pessoa encatarrada, pelo excesso de água (secreções) e como água apaga fogo, é considerada falta de pita. Alimentos que esquentam são os recomendados.

Duas energias: uma positiva e outra negativa

Mas nem todos defendiam a necessidade de retirar sangue. O dr Mesmer, que utilizava deslizamentos superficiais ainda no início do século XVIII, defendia que a energia negativa poderia ser retirada por imantação. Este autor e médico é famoso nos núcleos espiritualistas que defendem a imantação (passe magnético ou passe espírita) na promoção da cura.

Se déssemos passes no nosso cliente, ele melhoraria: a Fisiologia confirma que os deslizamentos superficiais estimulam a propriocepção, que por sua fez aumenta as atividades no mesencéfalo, aumentando as funções hipotalâmicas, que influenciam praticamente todos os sistemas funcionais, em especial a imunidade. Logo, nosso cliente teria seus sintomas aliviados.

Medicina Moderna ou Higienista

A medicina moderna apareceu a partir das procedências higienistas do século XVIII.

Em Londres, com o desenvolvimento das cidades devido às indústrias têxteis, a pobreza não apenas passou a ser vista de palácios, como as doenças do povo (tuberculose em destaque) tornaram-se regulares na corte. Os altos muros construídos em torno do palácio de Nothinghan não conseguiram impedir o contágio. Outras condições sócio-políticas, como a necessidade de aumentar o controle sobre a classe trabalhadora, também contribuíram para o aparecimento do Higienismo.

Os higienistas tinham por filosofia e missão corrigir o erro - higienizar. Encontraram acúmulo de prédios sem ventilação entre eles, trilhas tortuosas entre as moradias e até passagens por dentro delas para se chegar a outras. O esgoto corria a céu aberto e era comum a defecação em lugares próximos do lugar de dormir ou de se alimentar. Engels relata a existência de um vaso sanitário para 500 pessoas. O tempo médio de vida de um trabalhador nesta época variava entre 27 e 35 anos de idade.

De acordo com um Manual de Medicina do princípio do século XX, pessoas encatarradas deveriam corrigir o regime: não usar carne, alimentos gordurosos ou condimentados, pastéis e sobremesas; deveria manter-se bem agasalhado, especialmente os tornozelos; usariam inalações de vapor medicamentoso uma vez por dia (inalação oral, nunca nasal, com gotas de eucalipto e tintura composta de benjoim); pedilúvios quentes e frios não faltariam; e se todos os tratamentos não produzissem os resultados almejados, a recomendação médica seria procurar um clima quente e seco.

Reparem: a sangria foi substituída por procedências higienistas e os comportamentos, que foram campo da igreja, passavam a fazer parte das orientações médicas.

Medicina Contemporânea

Com o descobrimento dos antibióticos e o desenvolvimento da farmacologia, a Medicina abriu largo campo de estudos e procedências medicamentosas e cirúrgicas. Certamente nossos clientes com secreção serão eficazmente remediados.

E a explicação?

Quanto mais nos envolvemos com os protocolos medicamentosos, menos importantes são as explicações. Não é à toa que aumentam as síndromes: basta descrever os sintomas e o tratamento.

1) Vírus é um ser vivo constituído de uma cadeia proteica;

2) Nosso organismo reage, ao perceber vírus internos, com o aumento da série branca, com destaque aos glóbulos brancos;

3) Os glóbulos brancos têm pH ácido e visam envolver os vírus, além de possuir a possibilidade de atravessar as paredes das artérias;

4) O leite é constituído por proteínas animais que, assim como os vírus, não estão codificadas pelo nosso sistema imunológico;

5) As proteínas ingeridas são absorvidas no intestino grosso, passando à circulação de linfa, que as derrama na circulação venosa;

6) O excesso de proteínas não codificadas, no caso do leite, é interpretado pelo organismo como vírus, o que aumenta a produção de glóbulos brancos que, por sua vez, atravessam mucosas em busca dos vírus, formando o catarro.

Fácil, não? E a partir disto o leitor pode compreender os protocolos domésticos.

Bônus – Secreção Vaginal da pré-adolescência

Há meninas que na pré-adolescência, antes mesmo da menarca, sofrem certo corrimento vaginal. Devidamente investigado, nada é encontrado. Sem explicação que possa definir um protocolo, a menina passa a ter o desconforto de ter de utilizar pedaços de absorventes.

Tratamento doméstico

Procedências como colocar aroma de eucalipto no quarto da criança ou utilizar pedacinho de gengibre no leite conseguem debelar a secreção (rinite, secreção vaginal e pré-adolescentes e outras) em poucos dias. Fica a dica.

 


Para voltar à relação de textos Reflexões para a Saúde.

Texto Como encontrar ou assunto do seu interesse - texto, curso, doação, passeio etc.

Site do IBTED. Sobre cursos, textos, vídeos, produtos e outras informações.

Contato: contato.ibted@gmail.com.

Para receber textos sobre terapias alternativas: curta IBTED Terapias

 no facebook (facebook/ibted).

Para receber textos sobre Fisiologia curta Roberto Haddad no facebook (facebook/robertohaddad.ibted).

Peça para ser amigo de Roberto Haddad no facebook (facebook/carlosroberto.serraohaddad).

  

IBTED Cursos, Produtos, Editora e Terapias

Contato: (21) 4126-5770 (TIM fixo) - (21) 99187-3020 (OI + Whatsapp) - 98250-0538 (TIM)

contato.ibted@gmail.com  -  facebook/ibted   -  facebook/robertohaddad.ibted