Início

Cursos

Textos

DVDs

Obras

Produtos

YouTube

Como chegar

Quem somos

Contato

 

Reflexões para a Saúde

Dores residuais de viroses - Covid, Chikungunya

 


 

Por Roberto Haddad

Não bastassem a fibromialgia, a chikungunya e a dengue, agora a Covid-19 encorpa substancialmente o número de pacientes com dores miofasciais.

Como o alívio de dores é ponto de destaque em nossas pesquisas, cursos e atendimentos, gostaria de participar:

1)   Convite: agende conosco uma seção visando alívio de dor, qualquer dor, só para conferir a eficácia dos métodos que utilizamos.

2)   O programa de nosso curso voltado ao tratamento destes males: Fisiologia para terapeutas, módulos 1, 2 e 3.

3)   Dicas na escolha dos recursos.

1) Agende conosco uma seção visando o alívio de dor. Qualquer dor, só para conferir a eficácia dos métodos que utilizamos. Ou traga alguém que sofra de artrose, artrite, fibromialgia, sequelas ou dores residuais de covid-19 ou Chikungunya.

2) O programa de nossos cursos Fisiologia 1, 2 e 3.

Ø Fisiologia 1. Fisiologia dos recursos corporais e ação em quadros clínicos. Maleabilidade dos recursos corporais. Indicações e contraindicações em massoterapia (de cada uma das manobras massoterapêuticas). Fisiologia dos recursos complementares (terapias alternativas) e ação em quadros clínicos. Indicações e contraindicações nas alternativas.

Ø Fisiologia 2. Principais recursos alternativos com efeito antálgico. As manobras de massoterapia e as terapias alternativas com efeito relevante na redução da dor. Recursos para dores residuais de viroses (Chikungunya e covid) e pós cirúrgicas.

Ø Fisiologia 3. Etiologia diferencial em quadros de fibromialgia e osteoporose. Massoterapia e outros recursos eficazes nestes males. Requisito: Fisiologia 1 e 2.

Ø Mais em http://www.ibted.org.br/Html/Cursos/fisiologia.html.

3) Dicas na escolha dos recursos e técnicas.

·        O tratamento deve ser feito por área

Quando aplicamos os protocolos antiálgicos a apenas uma região por vez - superior ou inferior, o resultado já na primeira seção é melhor que quando aplicamos em ambas. Os casos em que elegemos inicialmente apenas uma região têm tratamento mais rápido e requisitam um número menor de seções.

Quando referenciamos a região superior, falamos dos MMSS e as colunas dorsal e cervical. A região inferior trata dos MMII e a região lombar.

Região mais lesada. Reparamos que as regiões que mais se mostram doloridas e lesadas são o manguito rotator (o ombro) e a lombar. As dores costumam perdurar por meses e até anos. Isto define se iniciaremos os trabalhos corporais pela metade superior ou inferior do corpo.

Em caso de essa diferença não ser substancial, sugiro começarmos pela metade inferior – melhor garantir as condições de deslocamento do cliente primeiro.

·        O tratamento das dores é fácil

A grande maioria se reabilita em poucas semanas com ótimo alívio já na primeira seção. Os casos mais demorados costumam ser os que acumulam os problemas artro-musculares como uncoartroses lombares, estenoses e ombro congelado.

·        Tipos de cliente doloridos

Antes de escolher os recursos, considere que há pelo menos quatro tipos de pacientes: os recentes, os lesados, os sobrecarregados e os autoimunes. E a escolha dos recursos deve considerar estas possibilidades, muitas vezes em conjunto.

1)   Os recentes vêm fragilizados e ainda com a baixa de imunidade que alguma virose provocou. Na atualidade, a covid-19.

2)   Os lesados já contam com as dores a dois anos ou mais. A dificuldade em levantar os braços ou se movimentar promove tendinites, que se transformam em luxações, que continuam em tendinoses e chegam a artroses. Quanto mais tempo entre o início das dores e o tratamento, maiores serão as lesões esperadas e as dificuldades em reabilitar.

3)   Os sobrecarregados. Há pessoas que não conseguem reduzir suas atividades para se adaptar aos novos limites das dores ou da idade. Sim, as pessoas iniciam perda de massa muscular por volta dos 40 anos de idade, mas não reduzem suas atividades, o que pode acarretar em sobrecarga ao organismo com dores pelo corpo.

4)   Os autoimunes contam com patologias que aumentam o metabolismo celular e demandam os recursos corporais apropriados.

Certamente esta avaliação ajudará na seleção dos recursos a utilizar.

Não sei por quê pacientes que acumulam problemas artro-musculares regularmente são tratados como se tivessem apenas as sequelas da virose.

·        Semelhança com a fibromialgia

As dores e sequelas da covid-19, da chikungunya e de outras viroses se assemelham a certos tipos de Fibromialgia. Ao aplicarmos os mesmos recursos reagem bem. Por isto os recursos a estes males foram agrupados no mesmo curso. Ou seja, o tratamento não é tão difícil, apesar de pouco divulgado.

Isto nos leva a refletir sobre a Fibromialgia. Quantos casos deste mal não seriam residuais de eventuais viroses ou quadros de baixa de imunidade?

Assim recomendo a todos os nossos ex-alunos que apliquem, nos casos de Chikungunya, as mesmas técnicas de diagnose e os mesmos recursos que utilizamos nos casos de Fibromialgia e, como sempre, utilizem as técnicas do curso Recursos Artro-musculares nos casos com complicações artro-musculares.

Sobre o curso Fisiologia e Recursos Antiálgicos - recursos alternativos para o tratamento da fibromialgia e outras dores.

Mais informações sobre Fibromialgia.

 

 


Contato – peça mais informações ou para ser informado dos próximos textos: [email protected] ou (21) 99187-3020 (oi com WhatsApp).

Para voltar à relação de textos Reflexões para a Saúde.

Site do IBTED. Sobre cursos, textos, vídeos, produtos e outras informações.

IBTED Cursos, Vídeos, Produtos, Editora e Terapias

Contato: (21) 99187-3020 (OI + Whatsapp) - 98250-0538 (TIM) - [email protected] 

Sociais: facebook/ibted   -  facebook/robertohaddad.ibted