Início

Cursos

Textos

DVDs

Obras

Produtos

YouTube

Como chegar

Quem somos

Contato

 

Reflexões para a Saúde

Hipertensão Arterial

Uma abordagem em apoio às técnicas alternativas e em acordo com a Fisiologia

 


 

Regularmente comento que a Etiologia é algo decididamente que já foi dispensado na medicina atual. Por um motivo simples: inúmeros são os quadros em que é sumariamente descartada. Quase todas as patologias são acompanhadas por: não se sabe os motivos da (patologia)... Vejamos, neste texto, que a hipertensão pode ser explicada em acordo com a Fisiologia e que esta explicação é bem coerente com as expectativas populares. Então como certa revista médica afirma que 88,9% dos casos de hipertensão arterial é essencial (sem causa reconhecida)?

No dia a dia, quase todos a associam com fases ou situações difíceis. Para acreditar que ela seja realmente essencial e não somática, precisamos ignorar o ser humano e a sua constelação de emoções, as informações que serão apresentadas neste texto, o bom senso e ainda o saber popular. Com vantagens exclusivas aos que vendem remédios.

Sobre certa linha psicossomática

Uma característica dessa abordagem é que ela explica e justifica a grande maioria das doenças humanas como condicionamento. Nossa medicina prefere a genética ou o acidente (eventualidade) para explicar a origem dos nossos males e doenças. Não é à toa. Se compreendermos essas dificuldades a partir do condicionamento, voltar-nos-íamos a soluções que não interessariam ao Grande Capital como os laboratórios e hospitais. Logo, esta abordagem não é apresentada nos cursos de graduação em Medicina e os poucos médicos que se tornaram adeptos dela, conheceram-na nos seus estudos de aprofundamento em terapias alternativas, dificilmente em meios acadêmicos.

Vejamos alguns conhecimentos básicos para compreendermos a hipertensão: o sistema nervoso simpático, o condicionamento.

Sobre o sistema nervoso simpático

No caso de o homem se sentir sob qualquer situação de ameaça, teremos seu sistema nervoso simpático acionado. O simpático é parte do sistema nervoso autônomo (SNA), juntamente com o parassimpático. O sistema nervoso se divide em Central e Autônomo. O SNA é responsável pelo batimento cardíaco, digestão, produção de hormônios, respiração e todas as funções vitais, mesmo que possamos alterar algumas de acordo com a nossa vontade (com o uso do SNC). Na verdade, mesmo os nossos atos chamados de voluntários, como andar e outros movimentos musculares, só são basicamente voluntários (como atividade do córtex cerebral- do SNC) durante a sua criação e seu início; a partir daí entra em ação o SNA. Pensamos em pegar um copo de água e executamos a façanha. Mas ignoramos todos os movimentos musculares que faremos até concluir o ato (serão controlados pelo SNA).

É interessante destacar algumas reações naturais do organismo quando tem seu simpático acionado:

- aumento do batimento cardíaco;

- aumento da pressão sanguínea;

- redução ou parada da atividade do córtex (dos pensamentos e atividades voluntárias);

- redução ou parada das funções digestivas;

- redução ou parada das funções sexuais;

- contração muscular e outras reações para preparar o indivíduo para lutar ou fugir, de modo a defender-se;

Outras reações como liberação de adrenalina, dilatação da pupila e evacuação ou micção devido à contração muscular não são importantes para este texto e não serão comentadas.

Estas reações ocorrem em maior ou menor grau conforme a gravidade da situação. Um mosquito que voa ao seu lado poderá atrair-lhe a atenção pois pode agredi-lo. Assim suas pupilas dilatam etc, mas certamente o cachorro do vizinho que fugiu e vem em sua direção latindo ferozmente, provocará um outro nível de reação, apesar de serem basicamente as mesmas.

 Acionando o simpático

Sabemos que situações de ameaça acionam o sistema nervoso simpático. Vejamos casos:

- Lê uma matéria sobre crimes hediondos num jornal e pensa “Podia ser comigo!!!” experimentando o medo.

- Os filhos jovens saem à noite e só voltam muito tarde. A mãe fica em casa experimentando o medo de que algo ruim ocorra com um de seus filhos.

- Teme que o dinheiro ganho não dê para pagar  as contas até o final do mês.

- Pode ser que não consiga quitar todo o débito do cartão de crédito e não sabe até quando poderá suportar os juros.

- Trabalha com a onda de demissões que anda por aí, sob a possibilidade de ser demitido.

- Cria os filhos e se angustia por não conseguir o mínimo para a sua sobrevivência.

 -Fala-se em aumento da criminalidade e não param de pipocar notícias sobre policiais envolvidos. O esquema policial já não consegue fazer o cidadão sentir segurança, aumentando-lhe a sensação de ameaçado.

- Sente-se ameaçado pelo sistema político, pelo sistema administrativo e tem a sensação de quase inoperância para obter o mínimo para a sua segurança individual e dos seus.

- Os riscos afetivos e emocionais são cada vez maiores.

- Sai à rua e tem de ficar atento aos pivetes e indivíduos suspeitos, evitando tais lugares perigosos, numa constante situação de perigo.

Todos estes exemplos certamente acionam o sistema nervoso simpático.

O condicionamento

Uma segunda informação básica para compreendermos o mecanismo da hipertensão arterial é que o ser humano é condicionável, como todo animal.

A criança leva muitos tombos e gasta meses até aprender quais os músculos que precisa usar para poder ficar de pé ou andar e qual a tensão que precisa aplicar a cada um deles para os seus movimentos.

Quando aprendemos a dirigir precisamos analisar e aprender qual o movimento provocado no carro decorrente do movimento que fizemos no volante. Temos de prestar atenção ao barulho e esforço do carro para trocarmos de marcha. Temos de lembrar qual é o pedal de debrear, qual o do acelerador e qual o do freio. Temos de treinar para sabermos qual a pressão que devemos exercer em cada um deles. Precisamos prestar atenção nos carros que estão à frente, ao lado e atrás. Temos de prestar atenção às ultrapassagens. Temos de observar e registrar o que vemos pelos espelhos retrovisores interno e externo. Temos que saber o que nos diz cada placa de trânsito. Temos de prestar atenção ao instrutor, e outros aprendizados concomitantes. Ainda bem que temos o instrutor para nos ajudar! Depois de aprendido, de condicionado, podemos dirigir até namorando ou brigando com os filhos, que o risco de acidentes será bem menor.

Quem aprende, quem se condiciona, é o sistema nervoso autônomo. Possui uma eficiência bem maior para controlar o corpo que a razão. Uma datilógrafa eficiente poderá ter dificuldades de continuar seu trabalho se o chefe ficar ao seu lado e ela tentar controlar racionalmente (com o córtex) o ato de datilografar.

Pense em ir até a geladeira para pegar um copo d’água e beber. Você movimentará muitos dos seus músculos, mas não intencionalmente. Eles são movidos pelo SNA.

No livro Teoria do Reforço, Keller dá os seguintes exemplos: 

¨ - Caso I: Suponha que numa sala aquecida sua mão direita seja  mergulhada numa vasilha de água gelada. Imediatamente a temperatura da mão abaixar-se-á, devido ao encolhimento ou constrição dos vasos sangüíneos... digamos em intervalos de três ou quatro minutos; e, além disso que você ouça uma cigarra elétrica pouco antes de cada imersão. Lá pelo vigésimo pareamento a mudança de temperatura poderá ser eliciada apenas pelo som - isto é, sem necessidade de molhar uma das mãos.

- Caso II- Imagine agora uma pessoa sentada diante de uma pequena tela de cinema em uma sala silenciosa. Na tela, durante períodos de um minuto, aparece projetada em intervalos irregulares uma palavra em letra de forma.Durante o mesmo período de um minuto chumaços de algodão serão colocados debaixo da língua da pessoa de modo que se embebam de certa quantidade de saliva, que será exatamente determinada pela diferença de peso do algodão no começo e fim de cada minuto. Depois, na mesma sala , mas sem chumaços de algodão que atrapalhem, convidar-se-á a pessoa para uma série de petiscos durante os quais a palavra continua a ser intermitentemente projetada na tela em frente. Finalmente ... com os chumaços outra vez no lugar, a palavra será outra vez projetada por outro minuto - período de teste - e a salivação será medida como antes. Resultado: a palavra projetada elicia agora muito mais saliva do que antes.

- Caso III- Imagine ainda outro sujeito ... usando fones no ouvido e que tem eletrodos presos à mão esquerda, de modo a permitir a aplicação de um choque elétrico. Outros eletrodos, presos ao tórax e à perna esquerda, estão ligados a um cardiógrafo, para prover um registro das batidas do coração. Quando tudo estiver pronto, um som de altura e tonalidades moderadas chegará ao ouvido do sujeito durante o período de um segundo. Seis segundos mais tarde, um choque elétrico estimulante será aplicado em sua mão. Esta combinação de som seguido de choque  será repetido onze vezes, em intervalos de um ou dois minutos. Lá pelo décimo pareamento, o batimento cardíaco do sujeito cairá de quinze a vinte batidas por minuto, dentro de um segundo mais ou menos, depois de ter ouvido o som, e antes que o choque seja sentido."

Estes três casos foram tomados de experimentos reais. Cada um é exemplo de aprendizagem ...¨

A  hipertensão arterial

Não é preciso ser um gênio para associar as duas situações acima: o acionamento do simpático e o condicionamento. O que você acha que pode ocorrer quando se aciona o sistema nervoso simpático com freqüência, digamos: alguns anos de trabalho sob pressão no mesmo emprego, medo constante de ser assaltado, posição necessariamente agressiva no trabalho ou na vida ou discussões constantes? Agora agrave a situação de ameaça, colocando uma discussão com o cônjuge, atritos com os filhos ou uma fase financeira mais difícil, como quase sempre percebemos nas queixas daqueles que tiveram seus picos hipertensivos. Fases difíceis (aumento da sensação de estar ameaçado) sempre estão associadas ao início deste quadro.

Se para condicionarmos o sistema nervoso autônomo bastam poucos impulsos, mas sincrônicos e com regularidade, porque não consideramos isto quando investigamos a hipertensão arterial? Por que ignoramos que as pessoas que passaram a utilizar métodos de condicionamento como o yoga, a meditação, outras técnicas de relaxamento e, em especial, o treinamento autógeno, eliminam seus picos hipertensivos e se dizem melhores? Por que relacionamos hipertensão arterial com quadro emocional e apenas buscamos nos remédios a sua cura ou controle?

 


Para voltar à relação de textos Reflexões para a Saúde.

Texto Como encontrar ou assunto do seu interesse - texto, curso, doação, passeio etc.

Site do IBTED. Sobre cursos, textos, vídeos, produtos e outras informações.

Contato: contato.ibted@gmail.com.

Para receber textos sobre terapias alternativas: curta IBTED Terapias

 no facebook (facebook/ibted).

Para receber textos sobre Fisiologia curta Roberto Haddad no facebook (facebook/robertohaddad.ibted).

Peça para ser amigo de Roberto Haddad no facebook (facebook/carlosroberto.serraohaddad).

  

IBTED Cursos, Produtos, Editora e Terapias

Contato: (21) 4126-5770 (TIM fixo) - (21) 99187-3020 (OI + Whatsapp) - 98250-0538 (TIM)

contato.ibted@gmail.com  -  facebook/ibted   -  facebook/robertohaddad.ibted